@ tainah negreiros

quarta-feira, 7 de março de 2007

Que belo filme! Não dá pra começar sem dizer.


Dá gosto ver como Karim Aïnouz filmou este Céu de Suely. E é bom logo falar do céu, porque já no começo ele está lá lindamente fotografado por Walter Carvalho. E fazia tempo que eu não reparava tanto no céu em um filme.
É preciso falar também do olhar, do jeito carinhoso que o diretor filma, e como essa forma de filmar surge como um pedido pra que cheguemos perto de sua protagonista, dela que sente tanto, que sente muito e ainda não sabe direito o que fazer da vida. Aïnouz pede e a gente atende, porque é difícil resistir a ela seja na sua força ou na sua dor. Hermila é adorável quando ama, odeia, quando olha pro céu, quando diz coisa nenhuma ou quando quer “deixar o menino no mato e sair correndo”. São todos olhares que o diretor nos deixa ter, não nos impõe, ele deixa. E não é fácil olhar alguém assim tão francamente, tão de pertinho como olhamos Hermila nesse filme. É difícil, mas graças ao cinema, graças ao carinho, a gente atende ao pedido de Aïnouz e vale muito, muito à pena.

5 comentários:

Mr T. disse...

Dica anotada...

Bjs.

Franciane disse...

nem vi, mas já li ótima críticas =)

apareço sim ... por aqui, por ali, o importante é aparecer!

=*******

Franciane disse...

*ótimas

Mr T. disse...

Sei lá... Eu particularmente gosto, mas ambas são do tipo "ame ou odeie".

Bjs.

Thamires disse...

"Hermila é adorável quando ama, odeia, quando olha pro céu..."

Tainah tbm... ;p

Amoooo.
:***********