@ tainah negreiros

sábado, 29 de abril de 2017

Escrevo para uma amiga que quero o bem dele
e que há muito tempo não queria o bem de um amante

segunda-feira, 17 de abril de 2017

era um momento sem medo e sem desejo e ele me deu um beijo na boca
e eu correspondi aquele beijo

sou um homem comum
qualquer um
enganando entre a dor e o prazer
hei de viver e morrer
como um homem comum
mas o meu coração de poeta
projeta-me em tal solidão
que às vezes assisto
a guerras e festas imensas
sei voar e tenho as fibras tensas
e sou um
ninguém é comum
e eu sou ninguém
no meio de tanta gente
de repente vem
mesmo eu no meu automóvel
no trânsito vem

quarta-feira, 5 de abril de 2017

segunda-feira, 3 de abril de 2017

o poema de matilde campilho me faz lembrar de ti
lamento muito sermos tão desencontrados
e você sequer entender metade da poesia que humildemente te ofereço
você é um amante burro
por isso feliz
e hoje quis muito que alguém alegre como você me amasse
esse profundo desejo quase me escapou a boca
e escapou
para uma amiga, depois outra
andei por todo o centro da cidade
quase desmaiei no supermercado
tenho sempre alguma coisa perdida
de antes de você
tem sempre alguma coisa que acontece por causa de antes

domingo, 2 de abril de 2017


"Qual seria a aparência de uma pessoa que tivesse formado a opinião de que seu self era uma ficção conveniente e que, por isso, tentasse inscrever esse eu fictício em sua maneira de conduzir-se, na maneira de encarar os olhos de outrem?"
(T.J Clark em "O Grotesco David com a bochecha inchada: Um ensaio sobre o auto-retrato." No livro Modernismos)

sábado, 1 de abril de 2017