@ tainah negreiros

domingo, 28 de janeiro de 2007

"O desejo não é de se brincar com ele. Ele é nós" Clarice Lispector

Sobre o filme de Lucrécia Martel.

Menina Santa é um filme sacana. Adoravelmente sacana, eu diria.


Vi esse filme já há algum tempo, mas depois de uma deliciosa conversa com um amigo esta tarde decidi me voltar a ele e às suas nuances. É bom voltar, afinal, um cinema significativo como esse é o que é pelo seu indefinido, infinito e interminável.

Apesar de não considerar este um filme meramente narrativo, posso dizer que sua história gira em torno de acontecimentos vividos durante a apresentação de um músico e de seu teremim. Teremim é um instrumento que soa sem ser preciso tocá-lo, mas sim através dos movimentos do músico. Nessa ótima idéia e numa bela construção de cena, surge uma das grandes sacadas do filme de Martel. O teremim é a alegoria do desejo, do desejo que paira, que está por toda parte, que não precisa do toque, que existe mesmo sem ser consumado. É o desejante, o desejado derramado na tela lindamente, desde a canção religiosa cantada no início, ao beijo trocado entre amigas. A diretora constrói um clima, uma atmosfera envolvente para tratar do desejo, do humano.
O que Martel filma é o por um triz, é o que pode ser desencadeado e faz jus as palavras de Antonioni que acredita que somos todos doentes de eros, por isso tanto desatino, tanto a se ganhar ou a se perder. Por isso a câmera de Martel não julga, é lindo ver isso, seus personagens agem, querem, mentem, abusam, mas ela os filme com a franqueza e com a atenção de quem respeita. Afinal, eles são nós.

5 comentários:

Thamires. disse...

Preciso vê-lo.



Somos doentes de Eros...

Paulo disse...

Tah

Lindo texto, uma única vênia

Em sentido lato, todo instrumento é tocado sem contato...o que o toque faz é meramente compartilhar o som que já percutia na mente do compositor. Caso contrário, a música só existiria quando a ouvimos...

And so desire does...

Voce sabe.

Mel disse...

tai, eu ja vi esse fiiilme! adorei mesmo...+ preciso revê-lo depois das observações da minha cineasta, né? hehe
te amo amo!

Anônimo disse...

e cá estou. e há poucos dias estive nas lentes da menina santa também. a relação com o Antonioni não me passou. teu texto me esclareceu muitas coisas.

talvez o filme não me causou tanto impacto pelo meu desprezo ao desejo. e ao por um triz também.

thiago disse...

acho q o terenin pode ser comparado ao proprio desejo, que nao precisa ser tocado para aflorar e mudar tudo com sua melodia. acho que isso tem meio a ver contigo nao acha?