@ tainah negreiros

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

fui a casa
o choro veio logo
a garganta apertou de cara quando vi o jasmim florido
minha mãe trouxe uma flor
seu jeito de carregar a lembrança

meu pai sorriu e chorou ao mesmo tempo
com a flor, com o cheiro
e com as acerolas que trouxemos

a minha lembrança tem a cor
da fruta que dá na porta de casa

8 comentários:

hildinha disse...

Eu chorei - sentí saudade da casa que nunca ví. Mas é que trago na memória tantas casas e tantos cheiros... - da minha nem vou falar: muito dolorido ainda com a perda de papai... - Mas tem o cheiro de goiaba (que não é o livro de Gabriel García Márquez), da casa do Vovô Júlio. - Cheiro do curral da fazenda de minha vó Condê (interior de São João do Piauí)quando manhã cedinho os vaqueiros tiravam leite... de coentro na estrada do bairro de Santa Luzia/Sonra(a última vez que fui sentir esse cheirinho, faz algum tempo e bem cedinho: sua mãe era minha companhia e adoramos! - Sua sensibilidade me tocou fundo!!! xoro... minha menina prodígio e amada. Beijos

aracele disse...

demasiadamente lindo. e forte!

Francisco Jamess disse...

muito bonito.

ligia disse...

impressionante eu tambem chorei, logo o que vc escreveu é muito verdadeiro mto sentido.a respeito do comentario da comadre eu me lembro perfeitamente, sinto o cheiro de coisas antigas como s e fossem hj. lembro do cheiro duma pimenteira roxa que tinha na casa dela.o vovo zé tomava antes do almoço umas duas pinguinhas e ele com a gente ia apanhar as pimentas pra misturar no almoço.era sempre um bodinho no caldo.e eu sinto o cheiro dele da pinguinha com a pimenta.

JACONIAS DIAS RODRIGUES disse...

Gostei do seu Blog. A net precisa de idéias inusitadas, palavras que geram movimento e atitudes que mexam com a forma de ser e esar no mundo; e seu blog se enquadra nesse perfil.Não deixe de atualizar sempre. Abraços.

Luciana Marinho disse...

lembranças que não perdem o cheiro das flores.

Lisa Alves disse...

lindo e singelo! ;)

Anônimo disse...

E a saudade se fez presente, no corpo, na alma, no tempo, na memória.

E a esperança se concretiza na sensibilidade, nos desesjos, nos quereres, na saudade.

E os sonhos se realizam nos atos, nos fatos, nas ilusões, nos abraços.

E a realidade se percebe nos afagos, nos carinhos, nos amores, nos amigos.

E a vida é o somatório das saudades, das esperanças, dos sonhos e das realidades.

E viva a Vida. Bjs Tainah. Te Amo.

Nelson Rosado Júnior